segunda-feira, 23 de maio de 2011

SESC ITAQUERA destrói obra em homenagem a São Paulo

SESC ITAQUERA destrói obra em homenagem a São Paulo | "De Saulo de Tarso a São Paulo", inaugurado em setembro de 2004 em comemoração aos 450 anos da cidade o mural de 120m2 e um vitral de 5 metros de altura com a figura do santo São Paulo, feito pelo artista plástico Enio Squeff e participação de mais de 100 populares, desapareceu em 2010 sem o consentimento do artista.
São Paulo, maio 2011
Amigos,
acabo de saber que o Sesc Itaquera desmontou o painel que fiz em 2004, como parte dos 450 anos de São Paulo.
Além da pintura e de um grande vitral, representando o santo São Paulo, cem – 100 – corpos humanos, principalmente de Itaquera, foram devidamente gravadas no painel. As pessoas – vale dizer, homens, mulheres, crianças – consentiam em se despir atrás de um biombo.
Tinham seus corpos pintados e, em seguida, eram, então, carimbadas no painel. Até informação contrária, foi a primeira vez que uma obra, em nossa cidade, se compôs com a impressão corporal de pessoas.
Mais do que um mural, pretendia-se registrar, de forma indelével, os corpos de alguns paulistanos do ano da graça de 2004. Para a obra, a propósito, colaboraram não apenas os físicos dos itaquerenses, reproduzidas em acrílico, mas uma composição musical de Willy Correa de Oliveira e a dança de 40 bailarinos coordenados pelo coreógrafo Ricardo Iazzetta, o Zetta.
Ambos, por encomenda do Sesc, reuniram músicos e bailarinos, respectivamente. E inauguraram o painel, agora descartado.
Não discuto minha obra. Ao contrário do que foi prometido pela direção do Sesc, eu seria notificado sobre qualquer possível remoção do mural. E isso não aconteceu.
Alguns amigos, aconselharam-me a processar judicialmente o Sesc. Seria a resposta adequada a um ato de violência iconoclástica. E por parte de uma instituição que diz promover e zelar pelas obras de arte que ela mesma encomenda. No caso, porém, deu-se o desprezo puro e simples, principalmente pelos corpos impressos de dezenas de pessoas da nossa sofrida cidade.
Ou seja, na sugestão de que fosse às vias jurídicas, eu talvez obtivesse alguma compensação material – mas não teria recuperados os corpos que o Sesc pretende sejam o lixo da história, por não pertencerem aos bairros ditos "nobres", de São Paulo.
Não me atraem, em suma, comparações com atos deletérios do passado. Ou com o desprezo por pessoas que não se inserem na nomenclatura nobiliárquica de São Paulo. Restar-me-ia, portanto, prestar continência aos mentores do atentado. De preferência, a bater com retinência os calcanhares, no estilo a que talvez devessem se seguir os "passos de ganso", de macabra memória.
Deixo, porém, à história o julgamento do atentado. Mais do que compensações, ele depõe contra uma instituição que se pensa acima do bem e do mal. E a qual cabe inquirir se é disso que se espera de quem recebe dinheiro que o Estado deixa de arrecadar.
Lamentável, para ser gentil.
Para saber mais, acesse porrasesc.wordpress.com.
Enio Squeff
Artista plástico e jornalista.

VER VÍDEO
 http://www.youtube.com/watch?v=D35NGq-eAKc

Um comentário:

Eduardo P.L disse...

Lamentável para dizer o minimo. Levei o texto para o Varal!