sábado, 23 de outubro de 2010

A SINAGOGA DA BAHIA 3 e outras coisas















Por vezes creio haver algo para se esquecer, como num sonho estranho. Talvez um certo constrangimento de gueto. Talvez um certo constrangimento pessoal. Se há algo que me intriga, por mais que esse ambiente tanto favorecesse a minha infância, é que minha vida sexual em nada, ao menos que eu me lembre, está ligado aquele espaço. Esteve sim ligado a minha casa e minha rua. Isso, agora, me parece claro. Justifica talvez pq trago tão separadamente, ao menos por enquanto, essas duas artes, a do corpo e a judaica. Por alguma razão não puderam se misturar. Parece exagero, mas não é. Um exemplo disso eram as minhas idas a Igreja Nossa Senhora de Nazaré, a poucos metros da sinagoga com o intuito de ver passar, após a missa, as meninas do bairro. Especialmente a Claudia, uma paixão de infância. Esse pode parecer um problema exclusivamente meu, mas é sintomático que em nossa pequena comunidade, ao menos na minha geração e algumas antes, não consolidassem nenhuma união conjugal, sendo raros até namoros mais sérios. A comunidade judaica, a partir da década de 80, é praticamente mista e mesmo entre os que saíram e sairiam da Bahia rumo ao Rio e São Paulo será difícil encontrarmos um casamento judaico entre eles.

Talvez isso se explique pela força da sensualidade “extra-muros”. Não estamos em qualquer lugar, estamos na Bahia e a Bahia de um momento especial, de muita música, muitas festas, diferentes das de hoje. Ainda não existiam a industria do Axé e a cidade era menor e mais de rua. Explico-me. Vivíamos a cidade mais de perto. Nossa infância e pré-adolescência se desenrolavam nas calçadas em frentes as nossas casas e apartamentos e experimentávamos ali a liberdade necessária para todos os atrevimentos e covardias. A vida judaica, em comparação a essa, era de fato protegida e problemática.

A despeito disso experimentei certa felicidade naquele ambiente judaico. Não sei se uma felicidade retrospectiva. Creio que não. Quando criança a sensação de pertencimento tem uma importância incrível, agora compreendo. Pertencer aquele universo, vê-lo incorporado a imagem de meu pai e mesmo a de minha mãe, explicarei o “mesmo” mais pra frente, me fazia bem. Aquilo que chamamos de identidade surge para mim agora como que constituída destes pertencimentos e, nesse sentido, aquela sinagoga era minha, aquele pai era meu e tudo isso me levava a este lugar: o de que eu era judeu.

Outra coisa importante era a língua hebraica. Para mim mais propriamente as letras. Fui alfabetizado mas, de fato, nunca cheguei a utilizar o idioma. Mesmo para o Bar-Mitzvá, e sinto certo constrangimento disso até hoje, realizei todas as orações de cor, sem compreendê-las o significado. A favor de mim falaria apenas que muitos outros fizeram o mesmo, mas de qualquer forma um sentimento de falta permanece. Acabei assimilando o idioma à minha maneira. Como sempre, me relacionei primeiro com a imagem e foi assim que as letras hebraicas se tornaram grandes amigas. Amo suas formas, seus desenhos, seus gestos, a ponto de pouca ou nenhuma atenção realmente ter dado aos seus significados.

Escrevendo isso me vem em mente outra história ligada aquela Igreja de Nazaré. Numa das missas, já namorando uma jovem carola, Rita de Cássia, me vi esquecido, com olhar para cima, a ver as pinturas do teto da Igreja, suas volutas e tantas outras imagens, envolvido especialmente nas amarras das formas que logo depois, já em São Paulo, com olhar embevecido sob as palavras do meu mestre Van Acker, fui saber tratar-se do Barroco.

Em fim, ainda hoje a escrita hebraica exerce sobre mim uma sensação de paz, de certeza, de beleza, de lugar de pertencimento. De alguma forma aquelas letras são minhas.

3 comentários:

Eduardo P.L disse...

Essas suas confissões e reflexões servem para uma análise: sua arte transita com liberdade, profundidade,estética, espiritualidade, tudo em louvor à beleza feminina, e sua sensualidade, com muita naturalidade!

atelier disse...

israel, que retrospectiva ...viajei no tempo e deu aquela saudade!!!!!Sabe que eu ia na igreja de Santana ver o Sacristão que era um gato!!!
Te amo, sua irmã , janete

Israel Kislansky disse...

Eduardo, tudo nasce do prazer. No momento estou estimulado a escrever sobre isso e tem sido muito bom... nunca se sabe onde pode levar nosso coração e por quanto tempo.
Grande abraço. ik